Odontologia do Esporte

Ao Pai da Odontologia do Esporte o seu reconhecimento
16 de agosto de 2016
E-Book Gratuito – Odontologia do Esporte
17 de agosto de 2016


A odontologia do Esporte
é pouco conhecida e divulgada entre os profissionais em nosso país. Historicamente sua atividade teve início em 1950 por meio da American Dental Association, onde os profissionais já começavam a se preocupar com os traumatismos decorrentes das práticas esportivas. O futebol americano estava em grande ascensão e muitos traumas eram ocasionados durante sua prática. Os Cirurgiões Dentistas começavam a se preocupar, e tentando minimizar os traumatismos orofaciais e dentários indicavam o uso de protetores bucais. Não podemos relacionar a odontologia do esporte apenas com os protetores bucais, mas sabemos que se não confeccionados da forma correta podem prejudicar a performance do atleta, diminuindo seu rendimento em até 20% considerando o consumo máximo de oxigênio. Atualmente a Academia Brasileira de Odontologia do Esporte (ABROE) classifica os protetores em 5 tipos:

tipo 1 e 2 são os protetores pré-fabricados em tamanhos pré-determinados e os ferve e morde que são os mais comuns. Os protetores do tipo 3, 4 e 5 são confeccionados por empresas especializadas e com acompanhamento do cirurgião dentista. O protetor do tipo 3 são protetores simples, o do tipo 4 são os multi-laminados e os do tipo 5 são os otimizadores de performance.

Com a crescente procura pelas artes marciais os protetores bucais são cada vez mais procurados por lutadores de diferentes modalidades, mas as pesquisas relacionadas aos protetores vão além do mundo das lutas, hoje existe indicação do uso para qualquer tipo de atividade física desde os corredores de rua e triatletas que realizam apertamentos durante a corrida e sofrem muitos desgastes dentários até pessoas que fazem musculação nas academias e podem apresentar dores de cabeça pela grande atividade da musculatura facial durante o exercício isométrico. Pesquisas demonstraram que em um grupo de golfistas o uso dos protetores melhorou o desempenho destes atletas na velocidade e força das tacadas. Mas não pense que qualquer protetor pode promover tais melhorias. Os protetores são diferentes pois realizam funções diferentes nas modalidades para a qual são confeccionados. Deve-se tomar cuidado com o uso dos protetores tipo 1 e 2 que são encontradas nas lojas de artigos esportivos, segundo as pesquisas científicas podem prejudicar o rendimento do atleta além de promover áreas que durante os traumas podem favorecer fraturas de mandíbula pela falta de uma boa adaptação. As vezes economizar no único aparato que pode proteger o atleta de traumas faciais pode causar uma injúria maior que se o mesmo estivesse lutando sem nada. Se preocupe também em receber o protetor em casa após a moldagem ter sido direcionada para a empresa, é fundamental e dentre todos os passos o passo mais importante é o ajuste do protetor pelo dentista. Fazendo uma simples analogia não adianta a empresa oferecer uma Ferrari se o piloto não sabe dirigir, as vezes o acidente acaba sendo maior e o simples fato do protetor encaixar na boca não significa que está ajustado da forma correta.

13932813_1844944045726505_9089187345400693816_n

Existem diferenças no atendimento odontológico de pessoas sedentárias e atletas de alta performance dentre essas particularidades está a incidência maior de cárie em função da dieta rica em carboidratos e por conta dos longos períodos de treinamento, que não permitem a higienização bucal frequente. O desgaste do esmalte dos dentes em razão da utilização de repositores de nutrientes também é frequente.

Identificar e tratar o aspecto diferencial dos atletas são funções da odontologia do esporte, uma área nova que envolve não só o cirurgião dentista, mas uma equipe multidisciplinar atenta a problemas que podem ocasionar queda no rendimento do atleta ou mesmo sua suspensão em competições importantes.

Um dos principais cuidados que o profissional precisa ter com o esportista está na utilização de medicamentos. Alguns fármacos utilizados na odontologia podem levar ao doping positivo. Neste caso se não for possível substituir o medicamento é necessária uma documentação específica que justifique às organizações de campeonatos a utilização dos mesmos.

 

 

 
Proteção

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dr. Eli Luis Namba 41 9138 2080

Coordenador do primeiro curso de especialização em Odontologia do Esporte do Brasil

Presidente da Comissão de Odontologia do Esporte do conselho regional de Odontologia do Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *